54 – Nem sempre é o que se aparenta

Há uma enorme diferença entre aquilo que você é e o que veem de você. E, isso assusta. Já parou para pensar que em um simples ato de fazer algo comum, você pode ser interpretado de diversas formas? Nesse paralelo, o que nos resta fazer é usar a expressão. Mas aí volta na problemática de não ser compreendido da forma correta. E, tudo, pode virar um caos pois hoje em dia fazer certas coisas; coisas que antes eram normais e compreendidas facilmente, se tornou ambíguo, isso mesmo: ambíguo, algo que possa sugerir interpretações diferentes. Daí, eu penso: desculpa por vocês não entenderem algumas coisas que faço, sociedade, mas a culpa não é minha quando vocês deixam de interpretar corretamente o que acontece. Esse assunto parece meio confuso para você? Bem, vou dar exemplos: quem  me conhece sabe o quanto amo sorrir e distribuir sorrisos por ai… o que eu faço simplesmente por ser minha filosofia de vida, para pessoas mal intencionadas, pode dar a entender, talvez, que eu esteja dando mole para os carinhas que estão cruzando o meu caminho, ou que talvez eu seja doida (se bem que sou meio doidinha mesmo kkk). Viu como é assustador? O que pode ser algo simples se transforma, rapidamente, em algo completamente complexo, dando interpretações diferentes do que realmente é. Mas, embora devemos nos importar com o que transmitimos, não devemos deixar de viver. Eu irei distribuir sorrisos, sim. Irei tratar as pessoas com gentileza, sim. Irei dar “bom dia” ou “boa noite” aos que vejo pela frente, sim. Irei ser alegre e atenciosa, sim! Pois, bem mais que essa dúvida de ser entendida ou não, eu quero ser para os que me rodeiam o que desejo que eles sejam para mim.

Você pode ser o bem que gera um bem às outras pessoas.

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *